Mesmo com o agravamento da pandemia da Covid-19 e a superlotação dos leitos em Mato Grosso do Sul, o setor automotivo se mantém aquecido em momentos de crise. No momento em que as montadoras de veículos sofrem com a falta de peças, o mercado de carros seminovos apresenta aumento da demanda no Estado, conforme a Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Veículos Automotores (Fenauto).

Segundo a Fenauto, foram vendidos 125.310 veículos usados neste ano em Mato Grosso do Sul, ante 106.341 registrados em 2020. Um aumento, portanto, de 17,8% sobre o ano anterior, o que soma 18.969 veículos a mais vendidos nos primeiros sete meses do ano.

Os preços dos carros novos dispararam no Brasil desde o início da pandemia e, para completar, a falta de peças forçou várias montadoras a pararem a produção de veículos, o que favoreceu ainda mais o mercado de veículos usados.

Apenas no mês de julho foram comercializados 22.627 veículos em Mato Grosso do Sul, enquanto no mesmo período do ano passado foram 21.274, com aumento de 6,4%.

De acordo com a Fenauto, o Estado comercializa, em média, 1.029 veículos por dia útil, ante, 925 em comparação com o ano passado.

O gerente de vendas, Fabrício Vasconcelo, explicou que a falta de estoque nas concessionárias e fábricas fez com que as montadoras interrompessem a produção, o que auxiliou a aquecer o mercado de seminovos no Estado.

“Já vínhamos acompanhando as dificuldades que as montadoras estão enfrentando com relação ao fornecimento de peças, o que favorece diretamente o mercado de seminovos, há anos não tínhamos um movimento tão intenso de demanda. Não temos uma previsão de quando o setor vai normalizar, temos vários produtos zeros com fila de espera. O momento é muito positivo para o setor automotivo, mesmo com a pandemia”, relatou.

O carro mais vendido em Mato Grosso do Sul é o Volkswagen Gol. Ao todo, foram 1.683 veículos vendidos em julho deste ano, o Uno vem logo em seguida com 1.053 veículos comercializados no último mês, de acordo com o levantamento da Fenauto.

Vasconcelo destaca que a ampla oferta de financiamentos com a queda na taxa de juros também são fatores que contribuem para esse boom nas vendas automotivas.

A região centro-oeste também apresentou aumento significativo de vendas de veículos usados, em julho deste ano foram vendidos 129.929, ante 88.023 veículos no ano passado, com aumento de 44,2%.

CRESCIMENTO 

A Fenauto aponta que com a orientação de distanciamento e evitar ambientes fechados, o transporte público e carros por aplicativos passaram a ser grandes vilões. Esse movimento, por sua vez, ajudou a alavancar os veículos usados, principalmente os mais baratos.

No Brasil, o mercado de venda de carros usados é um segmento que gera 10 milhões de transações ao ano, com um faturamento aproximado de R$ 600 bilhões anuais.

A entidade que reúne as associações dos revendedores avalia, então, que o mercado de usados apresentou rápida recuperação diante dos desafios apresentados pela pandemia da Covid-19.

Conforme a Federação Nacional da Distribuição de Veículos (Fenabrave) anunciou, no 1° semestre de 2021, o total de veículos usados vendidos ultrapassou os 7,3 milhões de unidades, contra 4,5 milhões aproximadamente no mesmo período do ano passado.

Com aqueles valores, o crescimento registrado em comparação com os primeiros seis meses de 2020 é de 63%.

[Fonte: CB]