O mercado de carros seminovos está aquecido e empresários acreditam que o cenário deve se manter até o fim de 2022. A falta de veículos novos e demora para entrega das fábricas são fatores responsáveis pelo bom momento vivido pelo setor.

José Wellington, empresário do ramo de carros seminovos, revelou que não houve diminuição no volume de veículos comercializados no período da pandemia e que a diminuição na atividade industrial aqueceu as vendas de seminovos. “A falta do carro novo e, também, a demora das fábricas para entregas ajudaram a aquecer o setor dos carros seminovos”, pontua.

Segundo Wellington, o cenário deve se manter até o fim do próximo ano. “Tenho acompanhado alguns analistas e acreditamos que isso deve permanecer até o fim de 2022”, destaca.

Para manter o estoque, muitas vezes, o empresário tem procurado, inclusive, buscar veículos em outras regiões. “Eu, particularmente, compro os que aparecem na porta e, também, busco em São Paulo”, detalha, mencionando que veículos populares como o Ônix, HB20, Palio, Uno e Gol são os mais procurados.

Outro empresário que preferiu não se identificar revelou que vende, em média, de 15 a 20 veículos por mês e houve meses em que chegou a comercializar 25 unidades.

Segundo a Federação Nacional das Associações de Veículos Automotores (Fenauto), Minas Gerais fechou o semestre com elevação de 46,9% no acumulado em comparação ao mesmo período do ano passado. Em 2021, a marca média diária chegou a 58.944 unidades. Destaque para o mês de abril, que fechou com alta de 224,3% em comparação ao mesmo período de 2020.

[Fonte: JMO]