Há uma lista de fatores que interferem no aumento dos preços no setor automotivo. Não tem jeito, seja 0 km ou seminovo, os carros estão caros. Entenda o motivo.

Junto com o início da pandemia causada pelo corona vírus, o mundo foi atingido por um outro problema, a queda da economia. E o Brasil não ficou de fora, pelo contrário, o país sente em diversos setores, o aumento exacerbado dos produtos.

Os motivos no setor automotivo

Focando no mercado automotivo, alguns fatores podem ser os “culpados” pela alta elevada dos automóveis. Entre eles, a baixa no estoque de produtos para a produção dos veículos, a elevação no preço de matérias primas e o aumento nos custos de transporte são motivos para os carros caros. Além disso, a procura por seminovos tem sido maior que o estoque disponibilizado no mercado atualmente. Dessa forma, os modelos disponíveis, consequentemente, ficam mais caros.

Modelos 0 km

Tanto os seminovos quanto os 0 km sofreram interferência de alguma forma, porém, no segmento de 0 km, o maior impacto vem da falta de insumos para a fabricação dos veículos. Segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores, a Anfavea, o  aço teve alta de 61% no primeiro trimestre do ano.

Além desse componente, outros custos de produção também registraram alta, como a conta de energia, e o frete aéreo e marítimo. Esses,  contam com reajustes na casa dos 105% e 339% respectivamente. E claro, tudo isso interfere na hora de repassar o valor do modelo para o consumidor.

Ainda nos carros 0 km, o outro problema que preocupa as montadoras é a falta de semicondutores. A produção nas fábricas que produzem o material foi paralisada e consequentemente, afetou a produção dos polos automotivos industriais ao redor do mundo.

Empresas como a Toyota, Volkswagen, e Ford tiveram produções paralisadas ou com ritmo diminuído em diversos locais do globo. A escassez dos semicondutores faz com que a demora para a liberação dos veículos seja maior, dessa forma há menos veículos disponíveis para a compra, o que acarreta numa elevação do valor final.

Modelos seminovos

Aqui, mantém uma questão de oferta e demanda. A maior justificativa para alta no preço de seminovos é a baixa nos estoques de lojas e concessionárias independentes.

Nesse caso, a explicação para os carros caros pode ser a retomada gradual da economia. Do segundo trimestre de 2021 para cá, o comércio tem tomado fôlego e a rotatividade econômica tem crescido. Dessa forma, há uma procura maior do que estoque disponível nas lojas, o que acaba gerando a alta no valor final dos seminovos do mercado nacional.

Com a baixa na rotatividade dos veículos comercializados, para manter o caixa no verde, os lojistas precisam reajustar o preço dos veículos que são vendidos.

“É um sinal de que há demanda. Quem tem estoque, vende. Contudo, o problema é que está muito difícil repor o veículo comercializado para efetuar novo negócio, pois faltam carros” afirma o CEO da Karvi, Matías Fernández Barrio.

O CEO ainda afirma que um modelo que era comercializado há um ano atrás por R$ 45 mil, hoje, o mesmo veículo pode chegar a custar até R$ 60 mil, uma diferença de R$ 15 mil.

[Fonte: G360]