O fechamento de setembro confirmou o aprofundamento da queda nas vendas de veículos no País. De acordo com números obtidos pela Autoinforme, foram emplacados apenas 142.354 automóveis e utilitários em 21 dias úteis, o pior volume do ano até agora, 10% abaixo de agosto, em uma retração de cerca de 16 mil unidades a menos na comparação com o já tinha sido o pior desempenho mensal de 2021. A média diária de 6.778 emplacamentos por dia útil é a mais baixa em 18 meses, só acima da registrada em maio de 2020, no auge da primeira onda da pandemia de coronavírus.

O tombo é ainda maior, de 28%, em relação aos quase 199 mil veículos vendidos em setembro de 2020, quando a indústria começava a dar mostras de recuperação após o impacto da pandemia de coronavírus nos negócios.

A falta de semicondutores que vem paralisando ou reduzindo o ritmo das fábricas ainda explica a maior parte da retração do mercado brasileiro. Segundo a consultoria americana Automotive Forecast Solutions (AFS), desde o início de 2021 as montadoras instaladas no Brasil já deixaram de produzir cerca de 317 mil veículos leves por problemas relacionados à escassez global de microchips para equipar os sistemas eletrônicos dos carros; e novas paradas devem aumentar o volume perdido.

Sem produtos para entregar, as vendas vem caindo em escala crescente mês a mês, mas outro fator já pode estar puxando o mercado para baixo: a retração econômica, causada por alta de inflação e juros, combinada com o forte encarecimento dos veículos, provocado pelo repasse aos preços da elevação dos custos industriais dos últimos meses.

No acumulado de nove meses de 2021, foram emplacados 1,47 milhão de veículos leves, ainda em alta de 13,2% sobre o mesmo período de 2020, mas em ritmo abaixo do necessário para alcançar a projeção para o ano todo dos fabricantes e distribuidores representados pela Anfavea e Fenabrave, que até junho passado esperavam mercado anual perto de 2,2 milhões de automóveis e comerciais leves.

Nesta segunda-feira, 4, a Fenabrave divulga o balanço consolidado dos emplacamentos de automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus e motos em setembro e no acumulado de nove meses de 2021 com números do Renavam (Registro Nacional de Veículos Automotores). Na quarta-feira, 6, será a vez da Anfavea divulgar os resultados de vendas, produção e exportação das fabricantes de veículos associadas.

[Fonte:AB]