A crise gerada pela escassez de semicondutores continua a afetar as operações dos fabricantes automóveis e já levou à suspensão de várias unidades de produção por falta de componentes, entre elas a “nossa” Autoeuropa.

As reações e os comentários têm sido transversais a quase todos os “nomes” importantes da indústria e a mais recente figura a comentar esta situação foi Marcus Duesmann, diretor geral da Audi.

Duesmann confirmou que a escassez de chips afetou severamente as operações da Audi, mas mostrou-se confiante na recuperação.
Em declarações à Reuters, o “patrão” da Audi admitiu que esta crise é “um desafio severo” e descreveu-a como uma “tempestade perfeita”.