Quando um veículo é comprado por meio do CNPJ, ele passa a integrar o ativo da empresa e passa a fazer parte da apuração do ganho de capital do negócio. A partir do momento que ela decide vender esse bem, é preciso avaliar se houve lucro ou prejuízo na operação, chegando até o ganho de capital.

O ganho de capital indica o aumento da capacidade contributiva. É uma base importante para o cálculo de alguns impostos como o Imposto de Renda de Pessoa Jurídica e CSLL, por exemplo. Contudo, muitas empresas ainda não sabem que essa tributação existe.

Ele é o resultado da diferença positiva entre o valor de compra e o seu valor no momento da venda. Esse número é mensurado pela depreciação, que é o desgaste do veículo ao longo da vida útil.

Por exemplo: a empresa comprou um veículo por R$ 40 mil em 30/11/2015 e vendeu por R$ 30 mil em 30/11/2018. Mesmo com a venda do bem por um valor menor do que o que foi pago na compra, houve um ganho.

É importante contar com o auxílio de um contador para que todas as operações sejam realizadas da maneira mais adequada e evitar prejuízos financeiros ao negócio.

Utilizar o nome da empresa para comprar automóvel para uso particular é um erro grave

Um grande erro é comprar um veículo com desconto em nome da empresa para uso particular. O processo é avaliado por órgãos fiscalizadores e você pode ser condenado ao pagamento de multas com valores superiores ao desconto por tentar cometer algum tipo de fraude.

Caso você transfira dinheiro próprio para a empresa e realize a compra, ficará mais simples demonstrar que o veículo é para uso pessoal e que, por isso, não deve pertencer ao ativo da companhia. Porém, nesse caso, poderá ser denunciado por sonegação, já que a compra pode diminuir os custos do imposto de renda.

É muito importante frisar que essa maior atenção quanto as desvantagens em adquirir veículos em nome da empresa deve ser dada quando a compra é feita para uso pessoal de sócios ou familiares.

Se o veículo for realmente para o uso da empresa — seja pelos sócios ou colaboradores —, não há dúvidas sobre a forma correta da compra, mesmo que seja preciso arcar com os tributos incidentes sobre a venda. Nesse cenário, não faz sentido algum pensar em uma eventual aquisição em nome dos sócios, pois isso pode configurar fraude, sonegação e a exposição dos envolvidos ao pagamento de multas e penalidades pesadas.

Conseguiu entender melhor como funciona a compra de veículos em nome de empresa? É um benefício que pode ser utilizado como forma de incentivo, principalmente para as microempresas, mas que nem sempre será vantajoso. Para isso, é preciso considerar os pontos aqui apresentados e avaliar se realmente é a melhor opção.

[Fonte: Contabeis]