O crescimento do segmento de carros usados e a necessidade de transformação digital

Durante os meses de pandemia, o segmento de carros usados registrou forte crescimento, e os fatores são diversos. Entre eles, a adoção de novas formas de mobilidade tendo em vista a preocupação de usar transportes públicos e carros compartilhados.

Além disso, o principal fator envolve o constante aumento de preços dos veículos zero km, e a maior demora para conseguir adquirir um modelo, considerando a escassez de componentes automotivos que impactou a produção de veículos ao redor do mundo, e gerou atraso nas entregas e vendas de diversas montadoras.

Com isso, a saída foi optar por modelos seminovos e usados, que ao tentar comportar toda a necessidade mercadológica, também subiu os preços. Segundo o levantamento da Fenauto, a Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Veículos Automotores, entidade que representa o setor de lojistas multimarcas de veículos seminovos e usados, em 2021, o total de carros comercializados foi de 15.106.724 unidades, resultado 17,8% superior ao verificado em 2020.

Comparando-se o resultado de 2021 com o de 2019, ano sem pandemia, o setor obteve um resultado positivo de 3,5%. Somente no mês de dezembro do último ano foram comercializados 1.201.600 veículos, contra 1.165.436, em novembro, resultado 3,1% positivo superior.

Sobre os preços, o último ano registrou um aumento médio de 30% no valor dos seminovos e usados.

Mas como a era digital afeta o segmento

Com os constantes aumentos, é necessário que o setor desenvolva novas práticas para captar e fidelizar o cliente. Acontece que o consumidor brasileiro está em busca de processos menos burocráticos, e com experiência de compra inovadora.

Seja no mercado de zero km ou seminovos e usados, o cliente busca por experiências, e não apenas em adquirir um novo produto. Dessa forma, o mercado de carros usados deve pensar estratégias para gerar novas experiências de compra ao consumidor, e é nesse ponto que a digitalização entra como aliada ao mercado. Afinal, eles não estão mais interessados em apenas chegar na loja e comprar um veículo e ir embora. Hoje, o cliente busca novas experiências no momento de compra, bem como um melhor serviço de pós venda, ou seja, uma relação mais estreita entre marca e consumidor.

Hoje, o cliente deve se o foco das novas estratégias de captação, e não o produto, como acontecia há anos. Seja através de plataformas digitais de compra e venda, serviços personalizados para atender as reais necessidades do cliente, a digitalização deve ser usada como ponte para conectar quem deseja comprar com quem deseja revender.

Para o vice-presidente de Autos e Comercial da OLX, Flávio Passos, “a evolução da jornada digital a melhora da navegabilidade e da experiência oferecida ao cliente, e multiplica as oportunidades de negócios. A aplicação da inteligência artificial nos processos de compra e venda de veículos permite ao cliente, não apenas consultar online os modelos disponíveis, mas também encontrar similares que possam melhor atender às suas necessidades. A tecnologia acompanha, ainda, todas as etapas do processo de compra, desde o contato online com o vendedor, como também a consulta e a contratação de financiamento, seguro e histórico veicular, pagamento, documentações, até, finalmente, a entrega do automóvel.”

[Fonte: G360]