O setor de automóveis e comerciais leves vendeu até o dia vinte 27 de janeiro 102.984 unidades, na comparação com o mesmo período de 2021 as vendas registram uma queda de 31,71%, em relação ao mês de dezembro o recuo é de 37%.

A média diária nesses 19 dias úteis é de apenas 5.420 veículos, os dados atuais projetam vendas entre 120 mil até 124 mil unidades, este será o pior mês de janeiro dos últimos 16 anos.

A Anfavea está projetando para o ano de 2022 um crescimento para o segmento de autos/leves de 8,40%, a queda no mês de janeiro é parcialmente justificada pelo baixo volume de estoques das concessionárias e pela dificuldade das montadoras em aumentar seus volumes de produção.

Além da crise dos semicondutores o setor também sente os reflexos no aumento de casos de Covid, obrigando linhas de produção a reforçar as medidas de contensão e isolamento.As montadoras vão permanecer com a estratégia de produzir modelos com maior valor agregado, os modelos populares estão desaparecendo, enquanto às SUVs e Comercias Leves ganham mais espaço.

A grande maioria das concessionárias mesmo com a queda nos volumes de vendas encerraram o ano de 2021 com resultados financeiros positivos, aumento de preços, aumento das margens, melhora significativa dos preços médios, crescimento nas vendas dos seminovos, implantação de processos de vendas digitais e novas ferramentas de controle e gestão, são alguns dos fatores que propiciaram excelentes resultados ao setor em 2021 e que devem permanecer como estratégia para o ano presente.

A modalidade varejo está participando nesse início de ano com 57,94% das vendas totais e o atacado turbinado pelas vendas para as locadoras com 42,06%, destacamos que o segmento de locação comprou em 2021 mais de 410 mil veículos.

RANKING DE MARCAS VENDAS MENSAIS, PARCIAL 27.01.2022.

A Fiat segue tranquila na liderança, mas também está sendo afetada pela queda na produção, na parcial de janeiro suas vendas apresentam um recuo de 26,49% em comparação com o mesmo período do ano anterior e caem 31% quando comparadas com dezembro. Sua participação de mercado é quase o dobro do segundo colocado (20,62%) e está 1,2% abaixo do fechamento de 2021. No ranking de modelos à Strada é líder, a Toro está na 10ª posição e seu lançamento o Pulse na 11ª colocação.

A GM ultrapassa a VW e assume na parcial a 2ª posição, suas vendas recuam 53,34% em comparação ano a ano e caem 59% em comparação com dezembro. Seu principal modelo de vendas o Onix está na 5ª posição e o sedan Onix Plus na 9ª. Sua participação de mercado está em 11,19%, muito abaixo de seu potencial, destacando que a marca americana foi a mais afetada em 2021 pela falta dos semicondutores.

A coreana Hyundai retorna a quarta posição, seus modelos mais vendidos na parcial são o HB20 que está na segunda posição e o Creta na 6.ª, suas vendas em relação ao mesmo período de 2021 caem 23,75% e recuam 29% em comparação com dezembro.

Destaque da parcial para o crescimento das vendas da Peugeot na 9ª posição e de sua irmã Citroën na 11.ª, ambas as marcas estão com a mesma estratégia de vendas para o segmento atacado, com forte concentração no segmento de locadoras.

O segmento Premium foi um dos destaques de 2021 pelo excelente desempenho, mas deve encerrar janeiro com fortes quedas, parcialmente justificadas pela redução no volumes de importação e também por quedas internas na produção em função da falta de insumos.

A BMW segue líder, mas suas vendas caem 30% na comparação ano a ano e 45% em relação a dezembro, Volvo está na 2ª posição, suas vendas recuam 32,41% na comparação com janeiro de 2021. A Land Rover cresce 43% em comparação ano a ano, mas recua 41% quando comparada com às vendas de dezembro.

Um começo de ano difícil para quase todas as montadoras, a crise dos semicondutores e o avanço da pandemia vão continuar limitando o crescimento dos volumes de vendas, os estudos mais recentes apontam que só deveremos retornar aos números pré-pandemia em 2024.

O setor deve ficar atento aos reflexos do aumento dos juros e aos entraves de um ano de eleições, será com certeza um período de grandes desafios.

GRÁFICO ADICIONAL DE RANKING DE MODELOS POR ESTADOS.

Por Marcelo Cavalcanti

[Fonte: NACL]