Nunca na história houve um panorama em que o usado se tornou mais caro que o novo. É inegável que o apetite de consumo durante a pandemia influenciou esse movimento.